RSS

Arquivo mensal: maio 2013

Machismo, feminismo e respeito

Bom, como de costume, digo que não sou especialista no assunto, apenas expresso minhas opiniões nesse humilde blog.

Vamos começar com a minha definição dos termos que uso nesse texto.

O machismo é o tratamento padrão que aprendemos a dar para as pessoas em nossa sociedade. É um comportamento ilógico que discrimina pessoas baseando-se em padrões de masculinidade que alguém em algum passado distante criou. E não importa o seu sexo, se você não for tão masculino quanto o padrão prega, você é discriminado e será vítima de “sanções” ou chacota.

O feminismo é um movimento que prega o fim desses costumes imbecis e apoia o respeito às mulheres e quer para elas os direitos que deveriam ser seus desde o começo.

Existem as feministas e existem as feminazis, que caso não tenham associado pelo nome, são as extremistas irritantes que querem ditar tudo o que pode ou não ser feito pelos homens e mulheres. Basicamente essas são as feministas que mais aparecem em notícias de protestos pela mídia queimando o termo “feminista”.

Dessas eu tenho nojo. O que elas querem é inverter a posição dominante dos machos pela delas. Elas em muitos casos pregam uma ditadura de costumes para todos de forma nada igualitária, e não preciso dizer o quanto isso é errado, preciso?

E sobre o respeito, pense apenas que assim como você tem direitos, as pessoas a sua volta também tem direitos. Saber onde acaba seu espaço e começa o do próximo e agir de forma que não incomode o próximo é o respeito.

É nessas definições que me baseio ao escrever esse texto.

Não conheço outras culturas, vivo no Brasil desde que nasci e posso afirmar categoricamente que o povo brasileiro é o povo mais discriminatório que conheci até hoje. E eles não sabem o que fazem, e nem de onde vem tudo isso, porque não sabem se olhar no espelho e ver seu reflexo. Eles não são fisicamente violentos como o povo do oriente médio, mas eles massacram as pessoas psicologicamente.

Tem uma musica do Gabriel Pensador que fala sobre racismo, preconceito e discriminação em geral, a “Lavagem cerebral”. É um tipo de música que faz uma excelente crítica social e que vemos cada vez menos hoje em dia.

Nessa música ele diz ” E de pai para filho o racismo passa em forma de piadas que teriam bem mais graça se não fossem o retrato da nossa ignorância, transmitindo a discriminação desde a infância”.

Agora faça uma analogia sobre esse trecho da letra e verás que tudo que começa como uma piadinha “inocente” como aquelas sobre mulher não saber dirigir, sobre lugar de mulher ser ao fogão.

Não estou dizendo que não se pode fazer piada, e sim que precisamos aprender a filtrar o que fazemos, dizemos e o que absorvemos disso. E o mais importante, instruir aos menores sobre a diferença entre uma piada e uma opinião séria.

Se eu falar “Homem não sabe cozinhar, toda vez que precisa fazer, ou faz merda, ou precisa da ajuda de uma profissional”. Acho que qualquer cozinheiro lendo isso se sentiria ofendido. Mas é o mesmo tom que é usado em piadas sobre mulheres a vida inteira. A diferença é o ponto de vista, dessa vez é com eles. A mulher de hoje em dia nem liga muito para isso, e é isso que alimenta a discriminação, elas mesmas não sabem o abuso que sofrem.

O brasileiro adora discriminar e não percebe o que faz. É exagerado na maioria dos casos e não está nem aí para isso, pois foi assim que foi criado, é difícil mudar a educação de uma hora para a outra. Mas para mudar algo, é necessário querer dar o primeiro passo.

Então conceitos como “ela se veste como uma puta” lotam a mente das pessoas que conheço. “Ah mas ela não se dá ao respeito”, “ela não é recatada” e outras coisas só alimentam a discriminação.

Vi uma foto sobre alguém (realmente não faço ideia de quem seja) que foi no Faustão e foi chamada de guerreira por ele e foi duramente criticada no texto da imagem porque fazia filmes adultos com a namorada num passado. Bom, não entendo o ponto de vista de quem faz esse tipo de crítica. Essa raiva toda é por causa dos filmes adultos? Pelo sucesso dela na vida?

Não estou desmerecendo o resto do texto que elogia quem trabalha duro e cria uma família sem dinheiro, esses são sim heróis de fato e acho que o povo da globo é bem exagerado com esse termo de herói/guerreiro. Mesmo os tais heróis descritos no texto poderiam ser melhores, porém apenas levam vidas duras e sobrevivem. Mas isso é história para outro post.

Por que esse preconceito todo quando o assunto é mulher? Se ela é prostituta, se ela faz filmes adultos ou se veste como uma periguete ela merece menos respeito do que sua mãe, uma freira ou qualquer pessoa? Eu adoro ver gente bonita, quem me conhece sabe que nunca escondi e sempre fiz isso abertamente, a diferença é que eu não saio pensando indecências ou fazendo merda por aí só porque vejo uma pessoa excepcionalmente bonita na minha frente.

Eu sou a favor da legalização da prostituição, do direito de fazer filmes adultos e o que mais quiserem fazer com seus corpos, porque o corpo é delas, e pelo simples fato de ser delas, vocês precisam respeitar suas escolhas. E isso precisa ser legalizado e protegido.

Por quê legalizar e respeitar? Porque é um trabalho que é quase como qualquer outro, só que é um trabalho mais arriscado e perigoso do que a maioria. Elas podem pegar infinitas doenças, atenderem um maluco que vai enchê-las de porrada, ou um assassino que as matará na primeira chance, podem levar calotes entre outras coisas. Mas elas não tem direito algum porque a profissão não foi legalizada e não há como protegê-las.

Todo mundo pode ter uma opinião a respeito da situação delas, mas vocês não acabarão com esses serviços nunca porque é da natureza humana querer isso, tem que perder essa noção errada que sexo é algo ruim. Sexo não existe só para reprodução, é recreação sim. É  algo muito errado negar os direitos e discriminar só porque sua opinião é diferente, você não gosta da ideia ou porque sua religião não aprova os atos delas.

O fato é que nossa sociedade está uma bagunça danada por causa de gente que acha que tem mais direitos do que outros, e por isso insiste em mandar e desmandar. Se a pessoa se veste de forma “vulgar” mas está tranquila e à vontade com isso, quem é você para falar qualquer coisa a respeito?

A pessoa não é menos inteligente e nem menos capaz por usar roupas diferentes ou ter liberdade para fazer o que quiser do próprio corpo. E aqui está um ótimo exemplo disso. São pessoas que gostam do que fazem, estudaram para fazer algo e o fazem além de fazerem filmes. E o mais importante, atriz pornô ou não, prostituta ou não, vulgar ou não, NINGUÉM tem o direito de desmerecer, encostar e fazer qualquer coisa parecida com isso aqui. Esse cara deveria estar preso.

As mulheres são vítimas de abusos a vida inteira, e quando você pega um idiota como esses, eles tentam se justificar porque a mulher provocou, ela é bonita, por isso ele tinha que ir lá e fazer algo já que é macho. Tenho dó de gente assim, um cara desses não poderia ir pra praia nunca, ou ele estupraria todo mundo lá.

Aí você usa esse argumento da praia e a pessoa vem falar que a situação é outra, não vejo diferença alguma na situação, é um abuso. O cara enfia a mão dentro de um VESTIDO de uma mulher, então o que ele fará quando tiver menos roupa e mais corpo visível como num biquíni? Vestido curto ou não, é um vestido em uma mulher, e uma mulher não um objeto público que qualquer um pode usar.

Homens nunca recebem ordens ou manuais de instrução para o que podem ou não fazer com os próprios corpos, por que as mulheres deveriam também? E por que eles são os coitadinhos da história quando eles fazem merda?

O que entendo de feminismo de verdade é que o objetivo é exatamente a proteção contra esses abusos, os exageros, uma reeducação de uma sociedade que precisa muito aprender o que é respeito e igualdade. Não é tirar os homens do poder e colocar as mulheres no lugar como tiranas, é só respeito e igualdade.

Tudo o que precisamos para mudar essa situação é algo simples, mas que exige esforço de todos. Esse esforço é reeducar nossas crianças do jeito certo. Elas precisam aprender que existem piadas e existem coisas sérias. Saber diferenciar é a coisa mais importante.

Se você ensiná-las que todo mundo tem seu espaço, elas vão crescer respeitando esse espaço. Se você só mostrar piadas como é feito hoje em dia, a criança começa a acreditar que aquilo que vê é o que ela realmente precisa fazer. Besteiras com brincadeiras de chamar de viadinho, putinha e outras profanidades se proliferam que é uma beleza com crianças. Quem tem filho sabe como é fácil ver seu filho aprender um palavrão ou uma brincadeira errada. Eu não tenho filhos e ao menos por enquanto não desejo ter nenhum, mas eu observo vários exemplos dos filhos de meus amigos.

O preconceito só existe na cabeça de quem quer ser preconceituoso. Você pode ensinar uma criança a fazer qualquer coisa. Se você mostrar um mundo cruel, ela com 9 anos já pode ser um soldado assassino. Ensine que matar e morrer é o que precisa ser feito, e essa será a ocupação e a diversão da criança. Ensine o respeito ao próximo e o amor a educação e você terá grandes crianças que serão adultos excelentes que mudarão esse país de vez.

Elogios, críticas, opiniões divergentes e ameças de morte são bem vindas, é só usar o espacinho aí embaixo para deixar sua mensagem.